Eu sou boa...

Eu sempre fui uma boa escritora, mas por mais estranho que pareça meus pais nunca apoiaram meu talento, terminei meu primeiro livro (já estou quase terminando o segundo) e eles nem tiveram o compromisso de si quer pensar na possibilidade de ler. Mas teve um período que eu consegui provar a eles que eu era realmente boa. Tudo começou quando na minha escola no sétimo ano (ano passado) eu resolvia entrar no concurso de redação da minha escola, era simples o melhor dá série vencia e eu tinha realmente a expectativa de vencer. Cheguei lá e o tema era: relato pessoal de memória com relação a esportes. Isso realmente virou meu mundo de cabeça para baixo, quem organizou o concurso parece que não sabia que meu nome levava certas polêmicas sobre esporte (eu meio que não gosto muito de futebol) , mas isso não vem ao caso agora. Bom eu escrevi uma redação questionando o esporte, eu dei para as minhas amigas o rascunho que tinha feito, todas acharam que eu não tinha chance de vencer. Agora todos pensam que o papel da mãe é apoiar seus filhos em suas escolhas, quando eu lia a redação para ela, ela simplesmente disse diretamente ao ponto que eu não tinha a mínima chance de vencer o concurso, por mais estranho que pareça isso me abalou muito, minhas expectativas que eu antes tinha se acabaram. 
Depois de passadas algumas semanas descobri que a minha redação tinha ficado entre as dez melhores, legal né? Depois entre as cinco e por fim as três melhores, dá pra acreditar? E mesmo depois de tudo isso minha mãe ainda me consolava por que pensava que eu ia ficar em terceiro. 
Para a divulgação das colocações ocorreu um grande evento, não só de redação mais de algumas outras matérias. E o discurso começou a terceira colocada foi uma garota. Ótimo eu já não era a terceira.
Isso me deixou ainda mais nervosa, eu estava batalhando pelo primeiro local com um garoto (não estou falando nomes pois eu não conheço essas pessoas okay?). E a moça falou: em segundo lugar....
E surpreendente disse o nome do garoto, então obviamente eu estava em primeiro. Isso me deu um orgulho por dentro tão assim, revelador... 
Eu finalmente havia provado a minha mãe e ao meu pai o meu dom. A moral dá história é: nunca desista dos seus sonhos, por mais que os outros não acreditem em você. Eu sei que isso parece propaganda de pasta de dente, mas essa história realmente aconteceu comigo.

Comentários